Botox
Cirurgia das Pálpebras
Cirurgia do abdomen
Cirurgia Facial
Lipoaspiração
Lipoaspiração Ultrassônica - Vaserlipo
Orelha de abano
Prótese mamária
Redução mamária
Rinoplastia
Prótese Mamária

* Prótese Via Axilar

* Prótese Via Mamária

A plástica mamária de aumento, é a cirurgia onde se consegue aumentar o volume das mamas através da colocação de um material sintético abaixo das glândulas, este material pode ser basicamente de dois tipos: silicone ou poliuretano. Temos usado em nosso serviço apenas as próteses de silicone texturizado. Após anos com seu uso sob forte investigação e associado com o aparecimento de câncer e outras doenças, o silicone foi finalmente liberado como um produto seguro e eficaz para uso em seres humanos na forma de implantes, sem qualquer risco ou relação com o aumento nas possibilidades de surgimento de câncer e/ou doenças autoimunes.

Além do aumento de volume, consegue-se também, um aumento na consistência e forma, uma vez que as próteses possuem contornos variados.

Deve-se levar em consideração no cálculo do tamanho dos implantes, a estatura da paciente e a largura de seu tórax, uma vez que existe uma harmonia entre estes três elementos no corpo humano, devendo manter assim, uma proporção ideal entre a altura, o tamanho do tórax e o volume dos seios.

A cirurgia pode ser realizada com dois tipos de anestesia: a geral, ou a peridural Em nosso serviço, damos preferência para a geral, uma vez que permite uma cirurgia mais tranqüila e segura, tanto para os médicos quanto para a paciente, já que neste tipo de anestesia, todos os parâmetros fisiológicos essenciais ficam monitorados, além do que, o procedimento fica completamente indolor. Quanto as vias de acesso para a introdução das próteses, temos utilizado com mais freqüência a via inframamária, aquela onde a cicatriz fica no sulco abaixo das mamas. Esta via, resulta em uma cicatriz pouco aparente e parcialmente escondida pelas próprias mamas. O acesso de colocação pelas aréolas, ainda é utilizado por alguns cirurgiões, eu particularmente não a utilizo pela possibilidade de ocorrência de alteração na sensibilidade e de se tornar uma cicatriz muitas vezes mais aparente que a cicatriz inframamária, procuro evitar manipular uma região tão nobre como as aréolas. Mais recentememte, temos dado preferência pelo acesso transaxilar, onde as próteses são colocadas pela axila com o auxílio de pinças especiais e material endoscópico, neste caso as mamas ficam sem cicatrizes.

Um outro ponto importante a se considerar, é a localização dos implantes: abaixo da glândula mamária ou abaixo do músculo peitoral. Particularmente, usamos de rotina a colocação das próteses acima do músculo, ou seja, retroglandular, pois em nossa experiência observamos que os implantes ficam melhor posicionados e não migram com o tempo, além da forma e contorno melhores. Deixamos a localização inframuscular para as pacientes magras com pouco tecido mamário, na tentativa de camuflar melhor os implantes. Uma dúvida freqüente é com relação à chamada cápsula. A cápsula nada mais é do que a formação de um tecido, de uma fina membrana ao redor dos implantes, uma reação normal e que ocorre ao redor de todas as próteses. Em uma porcentegem muito baixa dos casos, ao redor de 2%, este cápsula sofre um processo de endurecimento, a retração capsular, que em alguns casos pode ser tão intensa a ponto de deixar as próteses palpáveis e duras, neste caso, as mesmas devem ser retiradas. Este é um procedimento simples e que utiliza as cicatrizes existentes. Felizmente, o número de contraturas capsulares tem diminuído bastante com a utilização das próteses de silicone texturizado.











Estou à disposição para maiores esclarecimentos.